quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

O Assassinato de Roger Ackroyd, Agatha Christie

Sinopse: Roger Ackroyd sabia de mais. Sabia que a mulher que amava envenenara o primeiro marido, um homem extremamente violento, e suspeitava que ela era vitima de chantagem. Agora, que as trágicas noticias sobre a sua morte apontavam para um suicídio por overdose, eram muitas as perguntas que pareciam não ter resposta.
Mas quando pensava estar perante as primeiras pistas do caso, Ackroyd ver-se-ia envolvido num homicidio brutal: o seu!
O Dr. Sheppard, médico da aldeia, fala então com o vizinho, um detective reformado que escolhera o campo para passar tranquilamente os seus últimos anos de vida. A escolha não podia ser mais acertada pois o pacato vizinho era nem mais nem menos que o belga Hercule Poirot...

A Minha Opinião: Aqui está o meu primeiro livro lido em 2010 (como prometido, querida Jacqueline)!

Devo dizer-vos que fiquei verdadeiramente surpreendida, pela positiva, com este livro.
Já tinha ouvido falar muito bem da escritora, por isso esperava algo bom, mas nada comparado com aquilo com que me deparei.


A história é nos relatada pelo médico da aldeia, Dr. Sheppard, ou James como lhe chama a irmã Caroline.
James e Caroline vivem numa pequena aldeia onde se sabem todos os segredos de quem lá vive, e, em parte, isso deve-se a Caroline e o seu grupo de amigas. Caroline fica em casa durante a maior parte dos dias, e de alguma maneira fica a saber de todos os boatos que correm. Quando sai de casa não é para recolher informações, mas sim para as espalhar.


A história começa quando Mrs. Ferrars morre na noite de 16 para 17 de Setembro. Dr. Sheppard é chamado a casa da senhora, mas infelizmente já não há nada que ele possa fazer.
O marido de Mrs. Ferrars morre envenenado, e pela aldeia correm os rumores de que quem o matou foi ela, mas não passavam disso, rumores. Dizia-se também que Mr. Ackroyd (viúvo e com um enteado, Ralph) e Mrs. Ferrars tinham um romance, e que, no fim do luto, Mrs. Ferrars tornar-se-ia Mrs. Roger Ackroyd.
Pouco tempo depois o enteado de Mr. Ackroyd volta à aldeia, e Roger confidencia com James, pois considera-o um amigo e o único em que pode confiar naquela aldeia, que anda um pouco perturbado e convida-o para jantar em sua casa para assim puderem conversar à vontade.
Durante a conversa entre os dois no escritório Mr. Ackroyd fala abertamente com o médico e mostra-lhe uma carta deixada por Mrs. Ferrars antes de morrer. A falecida conta que matou o marido, e entre outras coisas, que anda a ser chantageada pela única pessoa que sabe a verdade.
Roger Ackroyd não lê quem é a pessoa, pois prefere fazê-lo em privado sem James ali.
Quando chega a casa, James recebe um telefonema de um homem que lhe diz que Roger foi assassinado. James volta a casa do velho Ackroyd para verificar o telefonema e encontra o corpo do amigo, ainda sentado na poltrona visivelmente morto.
Para além da polícia quem investiga o caso é o novo vizinho do médico, Mr. Poirot, um detective com uma personalidade muito peculiar. A história gira em volta das suspeitas do detective. Todos os que vivem na casa de Mr. Roger Ackroyd acabam suspeitos, mas há alguém de quem Poirot suspeita mas não faz ninguém saber. No fim do livro, ao descobrirmos quem é o assassino vêmos o crime de uma prespectiva completamente diferente.


Agatha Christie escreve um policial com muita inteligência, conseguindo alibis e suspeitas crediveis para todos os suspeitos, fazendo-nos acreditar em cada incriminação, dado a que certa altura acabamos por suspeitar de toda a gente.


Realmente um grande livro, do qual gostei bastante. Fico ansiosa por ler o próximo ;)

Classificação: 8/10 - Muito Bom

4 comentários:

Jacqueline' disse...

Compreendo perfeitamente porque ficaste surpreendida e viste todo o assassínio de uma maneira diferente :)

Bia disse...

Agatha Christie é sempre uma ótima pedida para um bom policial e histórias inteligentes.
Recomendo Um crime adormecido e Os crimes ABC - ambos imperdíveis!!!

Bjs

t i a g o disse...

Já li Cartas na Mesa, desta autora, e senti exactamente isso que disseste: interessante como todos os suspeitos são suspeitos, e é quase impossível descobrir qual é o culpado!

Carla Martins disse...

Pelo jeito esse ano vai ser de ótimas leituras, né? Se o primeiro livro foi bom, começou com o pé direito! :)