quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Tormenta das Espadas, de George R.R Martin

Sinopse: Os Sete Reinos estremecem quando os temíveis selvagens do lado de lá da Muralha se aproximam, numa maré interminável de homens, gigantes e terríveis bestas. Jon Snow, o Bastardo de Winterfell, encontra-se entre eles, debatendo-se com a sua consciência e o papel que é forçado a desempenhar.Todo o território continua a ferro e fogo. Robb Stark, o Jovem Lobo, vence todas as suas batalhas, mas será ele capaz de vencer as mais subtis, que não se travam pela espada? A sua irmã Arya continua em fuga e procura chegar a Correrrio, mas mesmo alguém tão desembaraçado como ela terá dificuldade em ultrapassar os obstáculos que se aproximam.Na corte de Joffrey, em Porto Real, Tyrion luta pela vida, depois de ter sido gravemente ferido na Batalha da Água Negra, e Sansa, livre do compromisso com o rapaz cruel que ocupa o Trono de Ferro, tem de lidar com as consequências de ser segunda na linha de sucessão de Winterfell, uma vez que Bran e Rickon se julgam mortos. No Leste, Daenerys Targaryen navega na direcção das terras da sua infância, mas antes terá de aportar às cidades dos esclavagistas, que despreza. Mas a menina indefesa transformou-se numa mulher poderosa. Quem sabe quanto tempo falta para se transformar numa conquistadora impiedosa?

A minha opinião: Muitas pessoas disseram-me que se eu tinha gostado dos volumes anteriores, ia adorar o 5º e o 6º. Na altura, achei um pouco difícil, porque eu tinha gostado mesmo muito dos outros, mas em relação a este volume, sem dúvida que é verdade.
Mais uma vez, esta é só a primeira parte do 3º livro original, por isso quero apenas deixar algumas impressões, porque estou em pulgas para começar o próximo volume :)

À semelhança do 3º, também este volume é o meio de montagem para os acontecimentos do próximo volume e portanto, Martin desenvolve a história de várias personagens, criando uma certa atmosfera, uma tensão para o volume seguinte. No entanto, não existe a enorme apresentação de personagens que, apesar de necessária no 3º volume, foi um dos pontos que menos gostei. Este volume, apesar de não ter acontecimentos propriamente marcantes, teve sempre um ritmo constante, pois os caminhos de cada personagem eram não só cativantes como também bastante imprevisíveis e gostei bastante de (quase) todos os rumos das personagens. Confesso que como considero que as personagens são o grande trunfo desta saga, as expectativas são sempre muito elevadas, mas até agora têm sido sempre superadas.
Um dos pontos que não podia deixar de referir ao falar das personagens é a introdução de duas novas com capítulos próprios : Jaime e Samwell. Se por um lado achei que Jaime foi uma excelente adição, por podermos finalmente conhecê-lo melhor,por outro não gostei nada dos capítulos de Samwell, porque não só me pareceram pouco interessantes, como a própria personagem deixa-me muito a desejar.

Deixo agora apenas uma nota em relação à história em si. Não sei se pelo tamanho do volume, se por outra razão, sinto a necessidade de alguma espécie de conclusão de alguns assuntos, entre eles o destino de Arya e a história de Catelyn.

Se A Glória dos Traidores for para A Tormenta das Espadas o que O Despertar da Magia foi para A Fúria dos Reis, parece-me que vou absolutamente adorar o próximo volume!

Classificação: 8/10 (Muito Bom)

1 comentário:

t i a g o disse...

Podes fazer essa comparação final da Glória dos Traidores com O Despertar da Magia em termos de intensidade. Mas, no final da conta, multiplica o resultado por 2. ;)

Gostei da crítica!